Montanhas Race Enduro 2017, #1 – Dia 1

O enduro mountain biking de competição consolida seu lugar no ciclismo de montanha nacional quando o Montanhas Race, de maneira sólida e arrojada, demonstrou inovação e ousadia através de uma competição de grosso calibre em sintonia com as aspirações dos mais fortes atletas brasileiros. Se ainda há quem fantasie incertezas sobre o desenvolvimento da modalidade no Brasil, Thiago Velardi – organizador do Montanhas Race – atua de forma determinante ao organizar a edição Hard Enduro no início dete ano, e, em seguida, inaugurar circuito Montanhas Race Enduro 2017 com um novo modelo de competição pelas montanhas brasileiras: o trans enduro.

Este modelo de competição, presente em outros países, faz florescer uma nova perspectiva do esporte com ingredientes do enduro itinerante, ou seja, a experiência de uma bike trip onde toda estrutura e competidores se deslocam em conjunto por diferentes cidades, proporcionando uma atmosfera para novas amizades, sem deixar de lado a pressão psicológica, os altos e baixos que os atletas vivem dentro das competições.

A primeira etapa do Montanhas Race Enduro 2017 aconteceu de 14 a 16 de abril. Foram três dias de competição, os quais os atletas saborearam o extenso cardápio de trilhas preparado por Velardi e sua equipe. A largada aconteceu na cidade de Morungaba (SP), depois seguiu para Monte Alegre do Sul (SP) e encerrou em Bragança Paulista (SP). Foram doze trechos cronometrados, entre eles, oito inéditos. Ao final somaram-se mais 3.400 metros de altimetria na conta daqueles que terminaram o desafio.

O XRides acompanhou esses três dias intensos de competição. Nesta primeira matéria, traremos o que aconteceu no Dia 1, em Morungaba.

Montanhas Race Enduro 2017

texto: ANDRE BORTOLETTO ⋅ fotografia: ADILSON MARTINS

Dia 1, Morungaba

A Cidade de Morungaba está localizada a 100 km da capital São Paulo, pertence a Região Metropolitana de Campinas e faz parte do Circuito das Frutas. Suas trilhas são de fácil acesso à partir do centro da cidade. A base do primeiro dia do evento foi na Pousada da Rosa, uma infraestrutura mais que suficiente para acolher todos os participantes do evento.

Naquela sexta-feira dia de Páscoa, o dia começou com temperatura bem agradável e tempo bom contrariando a previsão climática que indicava possíveis chuvas. Todos os pilotos que estavam presentes já estavam preparados e cientes do que estaria por vir. Mais uma vez competidores de outros estados se inscreveram nesta competição de um estilo de enduro que já virou marca da organização: muita exigência técnica e física com uma forma descontraída de acontecer, respeitando a protocolo básico de uma competição.

Os pilotos evoluíram muito em termos de equipamento e organização. Bikes high-end, ferramentas, alimentos, proteções e muito conhecimento transformaram a base do evento em uma feira de duas rodas que não ficaria muito atrás daquelas que acontecem nas grandes capitais.

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Após colocar o papo em dia e receber os kits, sem enrolação, deu-se o início do deslocamento para a primeira especial do dia. Ao cruzar o centro de Morungaba, a pedalada foi morro acima por um trecho de asfalto bem inclinado em direção a parte alta da Serra das Cabras. Depois, seguiu por uma estrada de terra e finalmente os atletas entraram em um singletrack onde os mais atentos já observaram as linhas que estariam por vir. Um pouco de orvalho no capim, cheiro de eucalipto no ar e muitas teias de aranha desenharam o ambiente da manhã de sexta feira.

A trilha da primeira especial cronometrada já é velha conhecida dos pilotos que participaram da edição do ano passado. As condições de terreno, seco e muito divertido com algumas sessões de rockgarden somadas a um sprint final, foram as mesmas daquele ano. A trilha deixou transparente o nível dos competidores neste início de temporada que fecharam tempos bem próximos. Ficou claro que olhar pelo “rabo do olho” tornou-se uma estratégica que começava a ser formulada individualmente.

O tempo para largada entre os pilotos foi reduzido para 30 segundos turbinando de maneira frenética o desenvolvimento da competição. Quem tinha dúvida que poderia haver congestionamentos teve a surpresa que isso raramente  aconteceu. Todos estavam fortes e ninguém queria ser ultrapassado pelo próximo a largar. Braaaap!

Montanhas Race Enduro 2017 Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

O deslocamento para Especial 2 (E2) seguiu o tempo todo por estrada de terra com cascalhos e muita poeira indicando pistas secas ao longo do dia. O sol já estava bem forte e ninguém queria se atrasar para largada de uma prova que já começou acelerada. Com um visual alucinante, a cronometragem iniciou mais uma vez por uma trilha famosa que dava boas-vindas com uma enorme pedra em forma de onda para “surfar” com a bike – uma manobra que fluiu naturalmente entre os atletas. A linha então seguia por inúmeras curvas levando o piloto para dentro de uma canaleta íngreme que partia para uma estreita estrada que permitia desenvolver alta velocidade transpondo muitos jumps em transição – air time!. Na sequencia, no segundo terço da trilha, pedaladas fortes. Por fim, a linha de chegada encerrava com curvas e off-camber.

Quando as parciais foram divulgadas, uma reviravolta aconteceu na liderança de algumas categorias. Um sinal de que a briga pelas posições do topo não iria ser fácil. Na categoria Pro, o mineiro Leonardo Mattioli levou a melhor, Diego Knob e Julio Giani se encontravam poucos segundos atrás dele. Na Master 1, Fernando Simioni crava o melhor tempo da categoria. Na Master 2 o mineiro Gustavo Amorim já se destacava seguido por Juliano Jeremias e Luis Altenfelder. Caio Salerno até o momento se estabelecia no domínio da Master 3. Juliano Florence (Master 3) sofreu uma queda que lhe custou alguns segundos. Na Sênior, Luciano “KDra” Lancellotti seguia na liderança com Leopoldo Anunciato na sua cola.

Montanhas Race Enduro 2017 Montanhas Race Enduro 2017 Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017 Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

A E3, considerada a trilha mais completa do dia, largava no mesmo local da E2, porém seguia para outra direção por trechos sombreados onde a velocidade era empolgante, principalmente devido suas inúmeras curva de parede. Já com os neurônios fritos, os atletas adentravam em um campo aberto de forte erosão, que mais lembrava terreno lunar. Ali, a escolha da linha certa foi fundamental frente as inúmeras valetas.

Neste momento, já era hora dos pilotos considerarem poupar o equipamento. Os problemas técnicos e quebras começavam entrar no jogo. Fernando Simioni, que liderava a prova, teve problemas com seu câmbio traseiro e não completou a especial. Lucas Henrique Vieira, assumiu a posição da categoria. Leonardo Mattioli (Pro) crava o melhor tempo, enquanto que Diego Knob também teve problemas técnicos com a bike e somou mais de um minuto sobre o tempo de Mattioli.

A partir disso, os resultados parciais do Dia 1 podiam ser quase previsíveis, uma vez que a última especial era relativamente curta e sem muitas dificuldades. Recheada de switchbacks e em off-camber, a trilha se manteve divertida, segurar as pontas e não se empolgar em busca de míseros segundos se tornou a meta dos pilotos. Não era hora de assumir grandes riscos uma vez que haviam mais 8 especiais para gerenciar as diferenças. Muitas correntes quebradas foram a surpresa que poucos esperavam, inclusive o fabricante!

Montanhas Race Enduro 2017 Montanhas Race Enduro 2017 Montanhas Race Enduro 2017

Matiolli levou a melhor na principal categoria. Na Master 1, Lucas Vieira manteve o melhor tempo e liderou. Gustavo Amorim seguia imbatível na Master 2. Caio Salerno e Luciano “KDra”, na Master 3 e Sênior, respectivamente. Simioni seguiu para a capital em busca de peças para arrumar a bike para o próximo dia, empreitada que poderia custar caro frente ao desgaste de dirigir mais de 300 km. Luis Altenfelder além de ter problemas mecânicos com a bike, se perde no caminho para próxima cidade. Anne-Kathrin Gutwein seguiu firme depois de um dia com seu mountain biking de alta qualidade, ela sabia matematicamente como seria o dia seguinte na bucólica cidade de Monte Alegre do Sul: mais quatro especiais inéditas, altimetria massacrante e altas temperaturas.

Continue acompanhando os detalhes desta prova itinerante que marca o primeiro trans enduro brasileiro. Alternância nas lideranças das categorias marcaram o Dia 2 da primeira etapa do Montanhas Race Enduro 2017.

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017

Montanhas Race Enduro 2017 Montanhas Race Enduro 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *